2016 – UM ANO DIFÍCIL DE DEFINIR

1-adeus-ano-velho

Acredito que seja do senso comum a sensação de que 2016 foi um ano difícil de definir. Digo isso porque, em linhas gerais, passamos por mudanças nunca antes vistas no país: instabilidade e engajamentos políticos, o aumento à cultura do ódio sobre quem pensa diferente, pessoas donas de suas verdades, empresas fechando as portas, startups crescendo em áreas antes poucos exploradas, perdas inestimáveis (pessoais e mundiais), enfim…um ano no mínimo intenso.

Para nós, não foi diferente. Claro que todos fomos impactados pelos eventos e acontecimentos que citei anteriormente, mas também por outros, em menor escala. Se pudesse resumir o ano, diria que o que pude observar é que há uma verdadeira desinformação no mercado sobre o real papel de uma agência de comunicação.

Vimos pessoas (incontáveis) confundindo PR com uma empresa de geração de leads ou mesmo “responsável” por gerar vendas diretas; vimos casos de startups que não eram assim tão disruptivas, mas que não entendiam quando passávamos esse feedback (este, vindo dos próprios jornalistas); vimos gestores que não apostam de forma inteligente em seus times internos. Enfim, podemos dizer que “vimos” muitos comportamentos e pedidos atípicos.

Acho que isso foi um pouco consequência do momento econômico do país, onde todo mundo quer gastar menos e ter resultados imediatos. Mas com PR, Social Media ou Consultoria a coisa não funciona assim. Como já dito antes, nosso papel é de curador da reputação de sua marca e não de diretores comerciais.

2016 foi um ano intenso e de ações inesperadas, onde tivemos que nos virar nos menos de 30 segundos (rs). Mas o saldo é positivo! Que 2017 seja um ano de menos turbulência e mais inteligência. Vamos apostar e gastar energia em ações que sejam, de fato, estratégicas no dia a dia, e não apenas da porta para fora 😉

*Por Renniê Paro

Publicado por

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.