COMO CRIAR UM CASE F… EM SOCIAL MEDIA?

*Por Gabrielle Ramos

Para responder essa pergunta, a criatividade é peça fundamental. Cases precisam ser, antes de tudo, inusitados e se destacar entre os outros conteúdos. Até porque, cada marca tem suas particularidades, logo, as estratégias não podem ser todas iguais. “Nossa, mas isso deve dar um trabalhão!”. Com certeza! Mas não desanime. No começo pode parecer que não, mas quando você começar a enxergar o retorno, vai ver que vale a pena.

E é claro que mais uma vez vou dizer que não existem fórmulas para isso. Tudo vai depender da marca que você cuida, do briefing do cliente e qual o seu objetivo. Nesse momento, a única coisa que realmente importa é a liberdade criativa para que você crie ações mais ousadas. Essa nova geração de consumidores que estão conectados 100% do tempo, espera campanhas sinceras e espontâneas. Aqui, o absurdo e o inviável tem total espaço, contanto que aproxime cliente e marca.

Podemos citar aqui alguns cases que fizeram sucesso e podem servir de inspiração. Vocês já devem ter visto uma publicação ou pelo menos ouvido falar sobre o Cemitério Jardim da Ressurreição. Quem um dia iria imaginar que uma fanpage de um cemitério faria tanto sucesso? Já são mais de 139 mil fãs. Como? Eles transformaram um assunto super improvável em algo que as pessoas se identificam. A morte é uma coisa certa, mas por que não transformar em algo leve e descontraído?

Outro case muito conhecido e que é um sucesso, é a página da Prefeitura de Curitiba. Outro assunto improvável, não é? Quando penso em algo relacionado a governo e política, a primeira coisa que vem a minha mente é uma página séria, com linguagem formal e etc. Mas a prefeitura de Curitiba transformou o que poderia ser maçante em um case tão legal que pessoas de todo o Brasil passaram a acompanhar a fanpage.

Acredito que esses dois sejam exemplos (dos muitos que existem) muito bons para que você comece a entender o que é um case F**** em redes sociais. Isso porque foquei apenas em páginas do Facebook. Se fossemos citar o Twitter, por exemplo, teríamos outros cases interessantíssimos também, em que as empresas se tornaram referências por fazer parte do dia a dia do consumidor, apenas por se aproximar deles. Elas se fizeram enxergar como “gente da gente” e não como mais um SAC frio e distante.

E aí, bora coloca a mão na massa e criar seu próprio case nas redes sociais?

*Gabrielle Ramos é jornalista formada desde 2012 pela Universidade Nove de Julho, com especialização em Marketing Digital pela E-commerce School e Mídias Sociais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Com 08 anos de experiência em Assessoria de Imprensa, já atuou na comunicação de empresas de diversos segmentos e atualmente é Coordenadora de Planejamentos Estratégicos e Mídias Sociais na PiaR Comunicação.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: