MUDEI TUDO, E AGORA?

Sabemos que, dentro do universo empreendedor, acabam acontecendo muitas mudanças ao longo da trajetória de uma marca. Existem inúmeros motivos que levam uma empresa a se reposicionar ou realinhar sua comunicação com seus públicos, seja porque um produto precisa ser atualizado para se adequar ao atual momento de mercado ou por uma empresa verificar que tem mais fit com um nicho do que com outro e redirecionar esforços, entre outras razões.  

Um dos exemplos mais conhecidos disso foi o da Havaianas, que no passado fabricava simples chinelos de duas cores, branco com azul e branco com preto. Com o tempo, a empresa foi perdendo espaço no mercado pois não apresentava nenhum diferencial dentre seus concorrentes. Consequência, teve que mudar! Além de melhorar a qualidade e o visual do produto, a empresa ainda adotou o slogan “Todo mundo usa”. A partir daí, a marca se tornou sinônimo de sucesso!

Independente das razões que levaram ao rebranding, uma coisa é certa: o trabalho de assessoria de imprensa também precisa ser redesenhado para atender a esse novo momento da startup ou da organização. O primeiro passo é definirmos quem é a persona desse novo formato, continuamos focando no mesmo público-alvo ou não?

A partir disso, preparamos uma divulgação para mostrar que aquela empresa agora passa a adotar esse novo direcionamento e os benefícios disso, seja para os seus clientes, parceiros ou fornecedores. Aqui vale um esforço unificado entre assessoria de imprensa e marketing para comunicarmos essa questão da melhor forma possível, sem ruídos ou margem para dúvidas.

O segundo passo é definir quais veículos possuem aderência com seu público-alvo para tentarmos divulgações e encontros de relacionamento. Agendar um café ou um almoço com um jornalista para apresentar o novo posicionamento é muito importante para gerarmos novas matérias após o rebranding. Inclusive, vale contatar jornalistas próximos ou que já tenham feito alguma divulgação com a marca para contar a novidade.

Construir uma base sólida para essa nova etapa é fundamental para o sucesso do negócio. Para isso, é necessário ter um discurso alinhado e uma assessoria de imprensa pode te ajudar, e muito, com essa questão. Usem e abusem de nós nessa estratégia!

*Por Bruna Sant’Anna Froner

UMA MARCA ADMIRADA: BIZCAPITAL!

De acordo com o Radar Fintechlab, hub de conexão entre fintechs nacionais, o Brasil tem mais de 604 fintechs mapeadas, um aumento de 33% se comparado com o último estudo realizado no ano passado. Quando falamos somente sobre o mercado de finanças, o estudo aponta que existem 529 empresas desse segmento. Dessas, o setor de pagamentos é o que mais tem startups (151), seguido das companhias de empréstimos (95), que representam 18% do mercado.

Com um propósito de oferecer inovação ao mercado financeiro, algumas startups têm papel importante – desburocratizar o setor e facilitar o acesso ao crédito. Um exemplo é a BizCapital, focada totalmente em ajudar os pequenos e médios empreendedores a terem acesso ao crédito de forma prática, rápida e segura.

Fundada em 2016 pelos empreendedores Cristiano Rocha, Daniel Orlean e Francisco Ferreira, a fintech possui um sistema automatizado de avaliação de crédito que é capaz de analisar e ranquear cada pedido em minutos, e tudo isso é possível devido à integração que a startup tem com mais de mil fontes de variáveis, públicas e proprietárias. Uma vez aprovado o crédito, todo o processo segue de forma digital, online ou por telefone, sem custos cartoriais, papéis ou muitos outros entraves encontrados em processos tradicionais e que afastam o empreendedor do seu principal foco, o negócio.

Além disso, pensando na saúde financeira de cada empreendedor que solicita empréstimo por meio da BizCapital, a empresa lançou o BizReport, um relatório com os dados colhidos na hora da avaliação de crédito, como: atividade econômica, posição de mercado, score, presença digital, entre outros.

No primeiro ano de atuação, a empresa recebeu sua primeira rodada de investimento realizada por um fundo de Venture Capital líder no Brasil – a Monashees +. Em 2018, foi contemplada com seu segundo aporte liderado pela Chromo Invest e pela 42K Investimentos. No final do mesmo ano, chamou atenção do fundo de investimento internacional que já investiu em fintechs no Brasil e no Mundo – o Quona Capital. Com esta rodada, o total de recursos levantados pela empresa já ultrapassa os R$ 60 milhões, tornando-a uma das 10 fintechs com maior investimento no Brasil.

Com todo esse crescimento no mercado de empréstimo online, a plataforma já superou R$ 16 bilhões em pedidos, o que mostra a força do setor financeiro para MPME’s no Brasil. Presente em todos os 26 estados e no Distrito Federal, no início de novembro de 2019, a BizCapital atingiu 1 mil municípios e a cada mês conquista 60 novas cidades.

*Por Juliana Gusmão