A IMPORTÂNCIA DE INVESTIR EM CONTEÚDO DE QUALIDADE

Vivemos uma era em que somos bombardeados diariamente por uma enxurrada de notícias o tempo todo, seja por meio dos sites, tvs, revistas, rádios, internet, bem como pelas redes sociais com o compartilhamento viral de informações. Nesse universo, em que as marcas precisam se destacar ainda mais, investir em conteúdo de qualidade tem sido a estratégia que mais tem dado resultado.

Para que isso funcione de maneira positiva, engane-se quem acha que é somente escrever um texto e publicar em seus canais que terá sucesso com suas ações. É preciso entender o que seu cliente consome de informação e isso engloba saber quais são os tipos de veículos que ele lê diariamente, quanto tempo ele passa navegando nas redes sociais e diversos outros fatores.

Com esses dados em mãos, fica mais fácil desenvolver seus conteúdos, escolher a melhor ferramenta (vídeo, podcast, blog, e-mail marketing, mídia online ou offline), periodicidade, entre outros quesitos. Na outra ponta, há um aliado que nem sempre é bem explorado pelos empreendedores, mas que é o ativo principal para criar mais endosso para marca e ganhar mais visibilidade – a assessoria de imprensa.

Nosso papel é entender tudo sobre o seu negócio, apurar e encontrar ganchos atrativos para divulgação, traçar a melhor estratégia e definir quais mídias e jornalistas são mais relevantes para publicarmos uma notícia. Entenda, apesar do trabalho ser de longo prazo, a medida em que há exposição na mídia e ela vai crescendo com o tempo, automaticamente você se torna referência em seu mercado de atuação e ganha mais visibilidade e credibilidade para seu negócio.

Acredito que falta um entendimento do quão importante nossas entregas são para o complemento de suas ações de marketing. Isso porque sair em uma matéria sobre seu segmento como um dos players mais importantes, automaticamente impacta positivamente seu público-final, possíveis investidores, parceiros, etc… Entende que é um ciclo de networking bastante rico para seu negócio? Tudo está interligado.

Por fim, se você ainda tem dúvidas que desenvolver um conteúdo de qualidade e ter uma equipe de PR por trás de suas ações com a imprensa, são estratégias extremamente importantes para alavancar qualquer negócio, sugiro você dar uma olhadinha na trajetória da Samba Tech, Qranio e Agrosmart. Ambas, desde no início, apostaram em assessoria de imprensa para criar um bom relacionamento com a imprensa, ter mais endosso e, consequentemente, mais admiração dos seus clientes.

*Por Juliana Gusmão

AS LIÇÕES DEIXADAS PELO ECOSSISTEMA DE STARTUPS DURANTE A PANDEMIA

A pandemia de coronavírus, sem dúvidas, está deixando marcas nas nossas vidas. Não é exagero dizer que o que está acontecendo hoje nos trará lições importantes para os próximos anos e que tudo isso fará parte dos livros de história no futuro.

Tudo mudou, a loucura do nosso dia a dia deu lugar a ruas vazias e ao silêncio na maioria dos prédios comerciais. As reuniões, que por muitas vezes eram presenciais, deram espaço às videoconferências. O cafezinho no meio do expediente junto aos colegas foi cancelado sem data certa para retorno.

Em meio ao caos que se instaurou, foi possível ver a resiliência de um dos ecossistemas mais jovens da economia, o de startups. O setor, que vinha crescendo exponencialmente no Brasil, se deparou com umas das piores crises econômicas da história do nosso país.

Foi um baque, sim, não podemos negar. Mas as lições aprendidas com essas empresas foram muito maiores do que os fracassos. O que vimos foi a união das startups em prol de um bem maior, o de ajudar a sociedade em um período de tantas incertezas.

Foi possível ver como a tecnologia pode nos ajudar a passar por um momento tão complicado. As soluções criadas e adaptadas foram inúmeras, desde aplicativos que ajudam a descobrir e monitorar pessoas com sintomas de Covid-19 até plataformas que nos permitem encontrar psicólogos e terapeutas que podem nos auxiliar a manter nossa saúde mental.

Isso ocorreu porque os startupeiros, em geral, tendem a ter ritmos de adaptação a problemas e pivotagem mais rápida do que outras empresas, além de um senso de urgência diferente dos demais empreendedores. Afinal, ser beta está no DNA das startups!

Entre os nossos clientes, vimos iniciativas únicas e muito importantes neste período. É o caso da Noknox, startup com o objetivo de conectar pessoas aos seus lares e locais de trabalho unindo praticidade, segurança e conforto que, em uma semana, criou a plataforma Vizinho do Bem, que conecta pessoas de forma gratuita. A ideia é que as pessoas que moram no mesmo condomínio possam se ajudar, seja aproveitando uma única ida ao mercado, ou até mesmo propiciando conversas online para deixar a solidão de lado.

A Cíngulo, aplicativo de terapia guiada que ajuda no autocuidado emocional das pessoas, também está com ações sociais em prol do bem estar da população. A startup está disponibilização um canal gratuito chamado “SOS Coronavírus” que contém conteúdos para amenizar possíveis gatilhos causados por conta do isolamento social, bem como práticas guiadas de meditação.

Com intuito de minimizar o impacto que o coronavírus irá causar no ensino brasileiro e disseminar o conhecimento para todo o Brasil, a Samba Tech está disponibilizando para as instituições públicas a sua plataforma de hospedagem e a distribuição de vídeos online, de forma gratuita.

Outro exemplo é a Qranio, que está colocando à disposição sua plataforma mobile para que os alunos possam continuar suas atividades à distância de forma gratuita até a normalização das aulas. Com o código “CORONAVIRUS”, os usuários têm acesso aos mais diversos temas e podem utilizar a loja virtual do aplicativo para trocar suas moedas de conhecimento (Qi$) por prêmios reais.

Já a startup gaúcha Elevor, que desenvolve softwares de gestão empresarial para os mais variados setores, criou uma plataforma de compras online para ajudar os pequenos produtores de Passo Fundo, no norte do Rio Grande do Sul, a comercializarem os alimentos durante a pandemia. Com a iniciativa, as pessoas que neste momento estão praticando o isolamento social, também conseguem ter acesso a frutas, verduras e legumes frescos sem sair de casa, em uma espécie de feira online.

São inúmeras as iniciativas criadas pelo ecossistema e que beneficiam a todos. Com isso, é possível perceber que essas ações têm um papel importante para reduzir os efeitos causados pela pandemia, além de mostrar a força dessas startups na nossa economia. Vida longa às startups brasileiras!

*Por Bruna Sant’Anna

CORONAVÍRUS: COMO FICA O ECOSSISTEMA DE INOVAÇÃO?

Essa é a pergunta de um milhão de dólares no momento!

São mais de 60 dias em isolamento social, empresas paradas (e, infelizmente, muitas quebrando), funcionamento apenas do comércio essencial e mais de 16 mil mortes em nosso país. Esses dados são tristes e alarmantes quanto à pandemia de coronavírus no Brasil.

Falando um pouco sobre o ecossistema de inovação, onde permeamos nossas ações, o que tenho visto, desde o primeiro momento, foram rápidas ações de mudanças de rotas e adaptações realizadas em tempos recordes para atender a demanda do novo momento. Isso é algo comum no mundo das startups, ou seja, essa possibilidade de pivotar, de corrigir rotas de maneira rápida e eficaz tem ajudado muito esses players a continuar no mercado.

Outro ponto que vejo como positivo no mundo das startups é que são empresas, em sua maioria, lideradas por jovens. Ou seja, elas já nasceram digitais, elas já respiram atmosferas do mundo do consumo online e inteligente. Nesse período, onde o cliente se viu forçado a fazer compras por meio de e-commerces, essas startups saíram na frente e tem ganhado cada vez mais mercado.

Além disso, noto que as empresas que atuam com meios de pagamento online, como as carteiras digitais, ganham a cada dia novos clientes, e esse movimento deve perdurar no pós crise. Foram poucos os nossos parceiros que tiveram que paralisar suas operações. Com felicidade notamos que muitos deles, na verdade, ganharam fôlego novo e inspirações para novos negócios e abordagens.

Por isso, caro leitor, posso parecer maluca, mas tirando de lado as tristes vidas ceifadas e famílias que vivem o luto, a crise pode ter vindo em um bom momento para o ecossistema de inovação, pois acredito que veremos:

  • um e-commerce fortalecido e eficiente
  • meios antifraudes ganhando mercado
  • experiência de compras online cada vez melhores
  • surgimento de novos negócios e abordagens de consumo
  • novo estabelecimento de interações entre marcas e consumidores

E você, o que espera para seu negócio no pós crise?

E O E-COMMERCE RESPIRA!

Que a pandemia do novo coronavírus pegou o comércio e muito empreendedor de surpresa não é novidade. Com o isolamento social decretado pelo Ministério da Saúde, estabelecimentos não essenciais tiveram que fechar suas portas para evitar a disseminação do vírus durante a quarentena e, consequentemente, alguns sentiram na pele a queda de faturamento.

Para aqueles que sempre atuaram no ambiente virtual ou migraram para ele para evitar perdas, o cenário foi diferente e bem promissor.  De acordo com um levantamento feito pela Compre&Confie, empresa que monitora dados reais de vendas online no mercado brasileiro, o e-commerce aqui no país faturou R$ 9,4 bilhões em abril deste ano, 81% a mais que em 2019. A pesquisa ainda aponta que esse crescimento só aconteceu devido aos inúmeros pedidos realizados durante o período, totalizando 24,5 milhões de compras online, um aumento de 98%.

Um dos segmentos que teve bastante destaque durante a pandemia do novo coronavírus foi o da saúde. Um mapeamento feito pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), mostrou que desde a descoberta do primeiro caso confirmado de coronavírus no Brasil (26 de fevereiro), as compras online de utensílios de saúde em lojas virtuais tiveram um aumento de 111%.

Com a reclusão, a população que antes tinha o hábito de ir até o banco, restaurantes, academias, escolas, supermercados, entre outros estabelecimentos, tiveram que se render e mergulhar no universo dos aplicativos de delivery, bancos digitais, aulas online, etc. Na minha visão, mesmo passado esse momento de isolamento, muitas pessoas ainda vão permanecer no ambiente online devido a praticidade, segurança e agilidade das atividades. A nós, resta torcer para que tudo termine bem, seja para os lojistas, para os e-commerce, para a saúde, economia e população do nosso país.

*Por Juliana Gusmão

TELEMEDICINA, A NOVA HEROÍNA EM TEMPOS DE COVID-19

No dia 19 de março, o Conselho Federal de Medicina (CMF) aprovou, excepcionalmente, a utilização de telemedicina por conta da pandemia que tem tomado nosso país. Até então a telemedicina era restrita e só podia ser utilizada em casos específicos e emergenciais, como na emissão de laudos a distância e prestação de suporte diagnóstico ou terapêutico, no Brasil, de acordo com Resolução CFM nº 1.643/2002.

Agora, os médicos têm autorização para orientar e encaminhar pessoas que estão em isolamento, monitorar condições de saúde, além de permitir que especialistas troquem informações em meios digitais. A medida tem como objetivo evitar que os pacientes e profissionais saiam de casa, minimizando os efeitos da Covid-19.

Embora a resolução seja relativamente nova, o tema já vem sendo discutido há anos, principalmente por conta da evolução da tecnologia aliada à nossa “antiga” rotina, que fazia com que qualquer deslocamento em horários de pico não durasse menos que uma hora, tomando muito mais tempo do que o necessário. Porém, por conta de diversas discordâncias entre profissionais do setor, a liberação só foi efetivada neste momento, onde sair para uma consulta médica ou até um hospital é inviável.    

É inegável que ainda estamos nos adaptando a essa nova realidade, porém é são muitos os ganhos que ela tem trazido. Por meio de plataformas online, é possível orientar pacientes em áreas remotas ou em caso de dúvidas quanto ao protocolo, como saber se deve procurar ou não atendimento no hospital, evitando assim o risco de contágio dessa pessoa, caso ela não esteja, de fato, infectada.  

Ainda temos um longo caminho pela frente no que diz respeito ao aperfeiçoamento de soluções, porém, não é exagero dizemos que a telemedicina tem ajudado a salvar vidas e é uma das heroínas neste período de pandemia. Vamos aguardar o desenvolvimento e ampliação de sua utilização de pertinho, afinal, o seu uso só trará benefícios tanto para médicos quanto para pacientes.

*Por Bruna Sant’Anna Froner