Ir para conteúdo

TELEMEDICINA, A NOVA HEROÍNA EM TEMPOS DE COVID-19

No dia 19 de março, o Conselho Federal de Medicina (CMF) aprovou, excepcionalmente, a utilização de telemedicina por conta da pandemia que tem tomado nosso país. Até então a telemedicina era restrita e só podia ser utilizada em casos específicos e emergenciais, como na emissão de laudos a distância e prestação de suporte diagnóstico ou terapêutico, no Brasil, de acordo com Resolução CFM nº 1.643/2002.

Agora, os médicos têm autorização para orientar e encaminhar pessoas que estão em isolamento, monitorar condições de saúde, além de permitir que especialistas troquem informações em meios digitais. A medida tem como objetivo evitar que os pacientes e profissionais saiam de casa, minimizando os efeitos da Covid-19.

Embora a resolução seja relativamente nova, o tema já vem sendo discutido há anos, principalmente por conta da evolução da tecnologia aliada à nossa “antiga” rotina, que fazia com que qualquer deslocamento em horários de pico não durasse menos que uma hora, tomando muito mais tempo do que o necessário. Porém, por conta de diversas discordâncias entre profissionais do setor, a liberação só foi efetivada neste momento, onde sair para uma consulta médica ou até um hospital é inviável.    

É inegável que ainda estamos nos adaptando a essa nova realidade, porém é são muitos os ganhos que ela tem trazido. Por meio de plataformas online, é possível orientar pacientes em áreas remotas ou em caso de dúvidas quanto ao protocolo, como saber se deve procurar ou não atendimento no hospital, evitando assim o risco de contágio dessa pessoa, caso ela não esteja, de fato, infectada.  

Ainda temos um longo caminho pela frente no que diz respeito ao aperfeiçoamento de soluções, porém, não é exagero dizemos que a telemedicina tem ajudado a salvar vidas e é uma das heroínas neste período de pandemia. Vamos aguardar o desenvolvimento e ampliação de sua utilização de pertinho, afinal, o seu uso só trará benefícios tanto para médicos quanto para pacientes.

*Por Bruna Sant’Anna Froner

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: