O SUCESSO DEPENDE DO ALINHAMENTO

Estamos passando por momentos de drásticas mudanças (muitas delas forçadas). Infelizmente são milhares de empresas fechando suas portas e tantas outras milhares de pessoas perdendo suas fontes de renda e sobrevivência. Por isso, agora mais do que nunca, é hora de colocar em prática uma palavrinha que talvez estivesse um pouco ‘fora de moda’: reinvenção.

Diante do novo cenário econômico mundial, é preciso se reinventar, na vida pessoal e profissional, para não perder mercado e entrar em sensações ruins, como ansiedade, angústia e tantas outras. Por isso, ao mesmo tempo que vemos portas baixando, vemos sites abrindo e nos trazendo um novo mundo de produtos e serviços, por meio do delivery.

Você pode estar se perguntando, qual a ligação disso tudo com assessoria?! Simples! Para que a divulgação desses novos serviços, produtos, posicionamentos ou mudanças dentro da empresa seja realizada de forma eficiente, é preciso haver um alinhamento entre todas as pontas de divulgação.

Independente do que sua startup queira divulgar no mercado, tornasse cada vez mais necessário que todas as pessoas envolvidas na comunicação de sua empresa, de alguma forma, estejam totalmente alinhadas. Isso passa por marketing, publicidade, redes sociais e, claro, PR.

Isso porque, em tempos de caos e muitas informações (e desinformação), qualquer deslize na comunicação pode ser o fim do seu negócio (e ninguém quer isso). Portanto, deixe de lado a preguiça, reúna todos os profissionais que são de comunicação e coloque, da forma mais transparente e sincera possível, quais são os planos da empresa, suas mudanças e expectativas para o mercado.

Somente dessa forma será possível atingir o tão sonhado SUCESSO!

*Por Renniê Paro

ecommerce-covid19

COMO O CORONAVÍRUS MUDOU O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

Há alguns meses, desde que o novo coronavírus foi declarado como uma pandemia mundial por meio da Organização Mundial da Saúde (OMS), muitos hábitos tiveram que ser revistos para evitar o maior contágio do vírus. Com o isolamento social sendo obrigatório, a população teve que encontrar alternativas para dar andamento na rotina e atividades, claro que seguindo todas as restrições necessárias.

Um ponto que chamou bastante atenção nesse processo, foi o crescimento expressivo de pedidos feitos por meio da internet. Segundo levantamento feito pela Intelipost, empresa líder em tecnologia para a logística, o número de compras via e-commerce teve um aumento de 32% em São Paulo e 52% no Rio de Janeiro, se comparado ao mesmo período em 2019.

Já uma pesquisa realizada pela Konduto, antifraude para pagamentos online que conta com mais de 4 mil lojas virtuais como clientes, aponta que os setores que mais se destacaram em vendas foram o de brinquedos (com um crescimento de 643,05%); supermercados (448,09%); artigos esportivos (187,90%); farmácia (74,70%); games online (58,46%) e aplicativos de entrega (55,66%).

Para você ter uma ideia do impacto do Covid-19 na mudança de comportamento do consumidor, um mapeamento feito pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), mostrou que desde a descoberta do primeiro caso confirmado de coronavírus no Brasil (26 de fevereiro), as compras online de utensílios de saúde em lojas virtuais tiveram um aumento de 111%.

Uma startup que sentiu bastante essa virada e a alta procura por produtos de saúde foi a Suprevida, plataforma de acesso à informação, contratação de serviços e produtos médicos para quem precisa de cuidados em domicílio, que apresentou um aumento de 60% nas vendas durante a pandemia.

Todo esse cenário nos faz refletir sobre diversas atitudes que tomamos ao longo de nossas vidas. Se você analisar, a tecnologia faz parte da vida de milhares de pessoas e, somente em um cenário de crise e reclusão, boa parte dos cidadãos olharam para seus dispositivos móveis com outros olhos e buscaram utilizá-lo como benefício próprio. Por fim, o que quero mostrar é que todo mundo precisou se reinventar, o empresário para manter seus negócios, as pessoas para pagar suas contas, fazer compras e se cuidarem ou exercitarem, o restaurante para não perder a clientela, cada um da sua maneira. E seguindo assim, não sei por mais quanto tempo, iremos persistir até que a pandemia cesse e nossas vidas voltem ao normal!

*Por Juliana Gusmão