PARCERIA ENTRE ASSESSORIAS CONCORRENTES

Quando você ouve a palavra “concorrentes” automaticamente vêm à mente alguém que joga “contra você”. Mas nem sempre isso é verdade.

No mundo das assessorias de imprensa não há tanta competição quanto se pensa (pelo menos não entre as agências “gente boa” rs). Nós aqui na PiaR gostamos e até incentivamos que sejam criadas as chamadas Pautas Casadas, ou seja, quando colocamos duas ou mais startups que tenham serviços, produtos similares ou complementares para que a pauta ganhe força e chame a atenção do jornalista.

Quando temos casos aqui dentro de casa, ótimo. Mas quando não temos, porque não ligar para a assessoria da startup que queremos colocar na pauta e sugerir uma ação conjunta? A receptividade das outras agências é, em 99% dos casos, positiva e surte efeitos positivos para todos.

Gostamos dessa prática primeiro porque acreditamos que há espaço para todos (clientes, assessorias, pautas…) e que juntos somos mais fortes. Não há porque se blindar e parecer intocável ou evitar falar com as outras agências e startups.

O ecossistema é extremamente rico e se todos baixarem a guarda, ele pode ser sempre aprimorado. Por isso, não tenha medo de propor uma pauta casada, ligar para o colega de PR e unir esforço em prol de algo maior que nosso ego jornalístico.

😉

*Por Renniê Paro

COMO USAR SEU CONCORRENTE COMO ALIADO EM COMUNICAÇÃO?

Um processo cada vez mais comum nas redações de veículos do Brasil é a produção de reportagens com dois ou mais “personagens” que ilustram a notícia. Isso quer dizer que, dificilmente, uma única empresa será um exemplo daquilo que os jornalistas estão escrevendo.

Por inúmeros motivos, o perfil das reportagens também evoluiu e é absolutamente normal que jornalistas falem sobre empresas concorrentes para ilustrar uma matéria de mercado. É motivo para ficar bravo com sua assessoria? Não. É motivo para agir com inteligência.

Se os veículos de comunicação falam sobre você e seu concorrente para abordar um mercado, que tal oferecer ao jornalista aquilo que seu competidor não pode? Números, dados, inteligência de mercado, big data, análise crítica e informações inéditas podem ajudar no processo de convencimento de que seu espaço e relevância na reportagem merece ser maior. E isso fará com que você seja lembrado como uma fonte confiável e referência no segmento.

Resumindo: atualmente, é muito difícil que você e seu concorrente não estejam na mesma reportagem sobre seu mercado de atuação. O que te difere é a sua disposição em construir uma relação sólida com jornalistas, abrindo mão do ego em detrimento de oferecer a um formador de opinião o que ele tem de mais valioso: notícias relevantes, análises aguçadas, ângulos inéditos.

*Por Bruno Pinheiro