NEYMAR É A PROVA DA FALÊNCIA DO MEDIA TRAINING

*Por Bruno Pinheiro

Neymar é um craque. Com 26 anos, está na lista dos maiores artilheiros da Seleção mais vencedora do futebol mundial. Foi o jogador mais caro da história. É, desde seus 22 anos, a esperança de títulos de um país que não ganha uma Copa do Mundo há 4 edições. Tudo isso, obviamente, se soma à vida extra campo do “menino Ney”, que não se furta a viver do jeito que quer, gastando seu dinheiro (como é seu direito) da forma que bem entender.

Neymar não jogou bem uma Copa do Mundo como tantos outros jogadores – e craques – também não jogaram. Seu estilo de jogo é de drible, seu biotipo é franzino e não há motivo nenhum para essa celeuma sobre Neymar simular ou não simular. Todos fazem. Em todos os times. O tempo todo. Mas Neymar carrega em suas costas um erro de comunicação que eleva à décima potência suas ações.

É a forma como conduz sua imagem. Seu staff erra recorrentemente em absolutamente todas as ações que colocam Neymar em contato com a mídia. Neymar é a prova inconteste da falência do media training. A tática aplicada a grandes executivos não pode ser aplicada a alguém que precisa lidar, todos os dias, com cobrança, exposição em massa e esporte de alto rendimento.

Neymar-pai, a entidade que cuida da carreira e imagem do craque, está equivocado, ou mal assessorado, quando o assunto é o PR do camisa 10. Neymar parece um robô dando entrevista, com frases que parecem decoradas de um caderno que o transforma em um ser humano sem emoção. E fica nítido quando, em campo, Neymar mostra quem ele é e, fora dele, parece ser outra pessoa ou viver em outro planeta.

Neymar precisa sim de um choque de PR. Um tratamento diferenciado, singular, único. Que saia da cartilha das grandes agências. Que tenha a ousadia e a alegria que o craque alega estar em suas veias. E isso não se faz com um texto (incoerente) pago por um patrocinador e que foi um tiro no pé – afinal, “não sou mimado, apenas não aprendi a me frustrar” é uma frase risível. O público não compra meia desculpas, o torcedor não quer saber o “quanto ele sofre fora de campo” enquanto ele fizer mil posts no Instagram namorando uma musa, jogando poker com seus “parças” ou vivendo sua condição financeira em sua plenitude.

A imagem que o staff de Neymar quer vender não casa com o que ele é de verdade. Romário nunca foi santo, fazia muita bobagem fora de campo, mas era amado pela torcida. Porque nunca se rendeu à cartilha de media training. É isso que falta para o mercado de comunicação: entender que o consumidor mudou – e não compra mais discursos, storytelling ou campanhas. Ele quer verdade, autenticidade, transparência.

Nada seria mais indicado a Neymar nesse exato momento do que se despir da imagem que foi construída ao longo desses anos. Ser o menino que ele é, ser e transparecer seus defeitos e virtudes. Tira esse armário das costas, Neymar. Tome as rédeas de sua vida, garoto.

*Com 13 anos de experiência em assessoria de imprensa, Bruno já trabalhou no atendimento de contas como BuscaPé, Fox, VivaReal, Qranio, EasyTaxi, boo-box, Samba Tech e Evernote. Já participou de grandes anúncios no mercado brasileiro e conduziu o lançamento de mais de 130 startups nos últimos 8 anos. Bruno Pinheiro é fundador da PiaR Comunicação, assessoria de imprensa de 40 startups no Brasil.

LEITURAS OBRIGATÓRIAS

*Por Renniê Paro

O mês chegou ao fim e quero deixar uma listinha (simples e despretensiosa) de livros que podem te ajudar a ver (e rever) algumas informações bem bacanas do nosso mundo de PR:

– Uma Assessoria de Imprensa Responsável na Era Digital (Marguerite Hoxie);

– Assessoria de imprensa – como se relacionar com a mídia (Maristela Mafei);

– Muita sorte e pouco juízo (José Roberto de Alencar);

Esses são apenas algumas sugestões, mas existem milhares de títulos que abordam o nosso dia a dia.

Se ampliarmos para outras áreas do jornalismo, nossa biblioteca fica ainda maior!!
O importante é entender que o hábito da leitura é fundamental para que possamos fazer nosso trabalho bem feito.

Jornais, sites, revistas, blogs e, claro, livros são parte de nossas ferramentas diárias e não podemos deixá-los de lado nunca.

O que você anda lendo?

*Renniê Paro é jornalista formada desde 2008 na Universidade Paulista, com pós-graduação em Comunicação Organizacional na FMU. Com mais de 10 anos de experiência em Assessoria de Imprensa, já atuou na comunicação de empresas de diversos segmentos e atualmente é Head de Customer Success e Marketing na PiaR Comunicação.

PRIMEIROS PASSOS EM PR

*Por Renniê Paro

30, 60 e 90 dias! Tá aí um bom termômetro para quando você começa a se aventurar pelo mundo das Assessorias de Imprensa. Esse período pode te mostrar o que esperar de sua agência de PR e como você conseguirá avaliar as entregas de PR.

Nos primeiros dias, é essencial você entender a importância de um onboarding bem feito! Por isso, tire um tempo razoável para explicar “tim tim por tim tim” o que é sua startup e como vocês atuam no mercado. Ainda mais relevante é ter definido em sua cabeça: qual é seu objetivo com PR (se for vendas ou aumento de downloads, melhor desistir) e quais são as personas de seu produto/serviço.

Somente com essas informações sua equipe de PR poderá começar a traçar planejamentos e ações de divulgações para conseguir entregar aquilo que você espera e precisa.

Agilidade, de ambos os lados, também é fundamental para que o trabalho seja bem realizado. Nenhum material sairá para divulgação sem o seu OK final, portanto quanto mais você demora para dar retornos para sua agência, mais demorados serão os resultados.

Outro ponto, controle sua ansiedade. Eu sei que quando contratamos um serviço, queremos ver resultados o mais rápido possível. Mas comunicação é um processo, é um trabalho de formiguinha mesmo, onde criamos pontes entre sua marca e a imprensa, portanto paciência é fundamental para construir relacionamentos que sejam duradouros.

Último item para você que está começando: administre suas expectativas. Se você contrata uma agência de PR e só pensa em dar entrevistas ou ter uma matéria no Fantástico, por exemplo, é melhor repensar e conversar com a equipe de PR para entender o que é, ou não, possível fazer com sua marca na imprensa. Afinal, nem todo conteúdo é para TV ou uma grande matéria. Pense nisso 😉

*Renniê Paro é jornalista formada desde 2008 na Universidade Paulista, com pós-graduação em Comunicação Organizacional na FMU. Com mais de 10 anos de experiência em Assessoria de Imprensa, já atuou na comunicação de empresas de diversos segmentos e atualmente é Head de Customer Success e Marketing na PiaR Comunicação.

PARCERIA ENTRE ASSESSORIAS CONCORRENTES

*Por Renniê Paro

Quando você ouve a palavra “concorrentes” automaticamente vêm à mente alguém que joga “contra você”. Mas nem sempre isso é verdade.

No mundo das assessorias de imprensa não há tanta competição quanto se pensa (pelo menos não entre as agências “gente boa” rs). Nós aqui na PiaR gostamos e até incentivamos que sejam criadas as chamadas Pautas Casadas, ou seja, quando colocamos duas ou mais startups que tenham serviços, produtos similares ou complementares para que a pauta ganhe força e chame a atenção do jornalista.

Quando temos casos aqui dentro de casa, ótimo. Mas quando não temos, porque não ligar para a assessoria da startup que queremos colocar na pauta e sugerir uma ação conjunta? A receptividade das outras agências é, em 99% dos casos, positiva e surte efeitos positivos para todos.

Gostamos dessa prática primeiro porque acreditamos que há espaço para todos (clientes, assessorias, pautas…) e que juntos somos mais fortes. Não há porque se blindar e parecer intocável ou evitar falar com as outras agências e startups.

O ecossistema é extremamente rico e se todos baixarem a guarda, ele pode ser sempre aprimorado. Por isso, não tenha medo de propor uma pauta casada, ligar para o colega de PR e unir esforço em prol de algo maior que nosso ego jornalístico.

😉

*Renniê Paro é jornalista formada desde 2008 na Universidade Paulista, com pós-graduação em Comunicação Organizacional na FMU. Com mais de 10 anos de experiência em Assessoria de Imprensa, já atuou na comunicação de empresas de diversos segmentos e atualmente é Head de Customer Success e Marketing na PiaR Comunicação.

O QUE VI NO PRIMEIRO SEMESTRE?

*Por Renniê Paro

De fato, essa pergunta é complexa de ser respondida. Mas vou tentar.

O primeiro semestre de 2018 começou com a inauguração de nossa unidade de Customer Success, para a qual me aventurei de cabeça. O resultado, até agora, é de algumas iniciativas, muito estudo e redirecionamentos constantes. Acredito que foram seis meses intensos onde consegui fazer muito pouco do que gostaria, mas aprendi além do que imaginava. Para o próximo semestre espero melhorar.

Os primeiros seis meses do ano também trouxeram grandes (e boas) surpresas. Hoje posso dizer que estamos com uma equipe que realmente entende o que propomos como valor de entregas de PR e dá o sangue para conseguir melhorar os resultados, todos os dias.

Também pude sentir o reflexo de um workshop que fizemos ano passado com nossos clientes. Quando explicamos melhor a dinâmica de nosso trabalho e o que e como entregamos retornos, percebemos que o entendimento dos clientes também melhorou, impactando diretamente em nosso dia a dia. Esse ano tem mais workshop vindo aí.

A área de marketing da agência também começou a engrenar e melhoramos o desempenho de nossa imagem enquanto agência de PR focada em startups (agradecimento especial aqui para a Jhess).

Vi também que conseguimos nos aproximar de jornalistas e assim, aprendermos um pouco mais sobre o que podemos melhorar em nossas abordagens. Ações sociais, treinamentos internos e foco em QUALIDADE!! Esses são outros aspectos do que foi nosso semestre.

Fique de olho porque no próximo semestre vem novidades por aí 😉

*Renniê Paro é jornalista formada desde 2008 na Universidade Paulista, com pós-graduação em Comunicação Organizacional na FMU. Com mais de 10 anos de experiência em Assessoria de Imprensa, já atuou na comunicação de empresas de diversos segmentos e atualmente é Head de Customer Success e Marketing na PiaR Comunicação.