ADSTREAM

Celso Vergueiro, CEO da Adstream

Você deveria admirar a AdStream por ser a maior plataforma de armazenamento e distribuição de conteúdo publicitário do mundo. Sua principal atuação é ligar as agências e os anunciantes com os canais de TV aberta e por assinatura por meio da internet. Atuando em 120 países com 42 escritórios ao redor do mundo.

Setor: Publicidade

#publicidade4.0 #distribuiçãodeconteúdoviastreaming

CAZAMBA

Victor Canô, CEO da Cazamba

Você deveria admirar a Cazamba por ser uma empresa de tecnologia em mídia, referência em inovação no engajamento de marcas com seusconsumidores por meio de anúncios digitais em formatos diferenciados, de forma dinâmica, personalizada e com acompanhamento em tempo real de resultados.

Setor: Publicidade

#EngajamentoDeAnúnciosOnline

DIFERENÇA ENTRE ASSESSORIA DE IMPRENSA E PUBLICIDADE

Você sabe qual é? Tenho certeza que muitos ficam com dúvidas no que responder, afinal é muito comum as pessoas confundirem o trabalho de assessoria de imprensa com o de publicidade.  A verdade é que ambos mexem com a comunicação, mas de forma diferente.

Quem investe em assessoria de imprensa, precisa entender que o assessor irá trabalhar para conquistar mídia espontânea, e nem sempre as matérias saem com rapidez ou da forma que queremos. Há um processo muitas vezes moroso dentro das redações, mas quando conquistamos aquele espaço precioso em um jornal ou revista de grande relevância, pode ter certeza que a visibilidade para sua empresa é mais saudável e o retorno daquela exposição é positiva.

Quando uma empresa aposta em publicidade, ela muitas vezes paga por um espaço grande, pequeno ou médio dentro dos veículos de comunicação, sejam eles jornais, revistas ou sites. Cada anúncio tem um preço, tudo vai depender do tamanho em que você investir. Não somos a favor de separar um budget para apostar em publicidade. O trabalho de assessoria de imprensa pode ser mais demorado, mas o retorno é mais qualificado do que pagar por anúncios.

Por que digo isso? Quando uma empresa sai em uma matéria, é sinal que ela chama atenção do mercado de alguma forma ou é referência naquele segmento. Quando uma reportagem tem entrevista de algum executivo, há mais credibilidade do que em um anúncio. O olhar do leitor é diferente sobre aquele tipo de matéria.

Por fim, se sua empresa tem um budget para investir em comunicação, meu conselho é apostar em uma agência de PR. Além dos profissionais te ajudarem a desenvolver um plano de comunicação coerente com sua empresa, a missão principal é criar endosso e reputação para sua marca, conquistando mídias espontâneas. E aí, está esperando o que para marcarmos um bate-papo?

*Por Juliana Gusmão

CONTEÚDO DE PR É PARA JORNALISTAS E NÃO PARA PUBLICIDADE

Quem é assessor de imprensa com certeza já ouviu algumas milhares de vezes frases como “Mas esse texto não está vendedor”, “Acho que poderíamos dar um tom mais emocional”. Pedidos como esses são mais do que naturais quando um release chega nas mãos da interface dos clientes.

Pessoal, é preciso entender alguns pontos que nos levam a escrever releases com a estrutura “chata e quadrada” que vocês recebem (e nem sempre curtem). Existem manuais de redação que são seguidos por jornalistas de todo o país e, claro, por nós assessores.

Um release precisa ter uma notícia (reformulação de sites, eventos internos ou contratações de estagiários não é notícia, ok?). Além disso, é preciso que o tema principal do texto esteja logo no primeiro parágrafo, ter quotes (fala do porta voz da empresa), dados de mercado e uma finalização.

Esse material não pode ser extenso e muito menos adjetivado. É claro que seu produto é o melhor do mercado e tem o melhor design, mas o jornalista não quer saber esse tipo de informação. Ele precisa entender o mercado em que você está inserido, quais são os problemas dele e como sua empresa soluciona algum deles.

Aqui vale destaque para como o foco deve ser a sua empresa, e não VOCÊ! Trabalhe a sua marca e não o seu ego. Por fim, vale dizer que o release é apenas uma das ferramentas que usamos, e não a estratégia em si. Portanto, por mais que ele não traduza a alma de sua empresa, vale entender a estrutura jornalística e perceber que ele será usado apenas de base para os pitchs com jornalistas.

Se tiver alguma dúvida, sempre vale aquele bom e velho bate-papo com seu assessor para entender melhor esse fluxo 😉

*Por Renniê Paro

ASSESSORIA DE IMPRENSA NÃO É PUBLICIDADE

confuso

Ambos trabalham com imagem e comunicação institucional, mas é muito importante entender quais são as diferenças entre assessoria de imprensa e publicidade. Tendo essa distinção clara em mente, é possível compreender qual dos serviços é mais adequado para a estratégia da sua empresa.

Basicamente, a rotina de uma agência de PR consiste em buscar informações relevantes do cliente para divulga-las aos jornalistas. O contato será sempre com a equipe editorial dos veículos de comunicação, que vai avaliar se as informações fornecidas são interessantes para o público-alvo do veículo.

Uma agência de publicidade também tem o objetivo de divulgar alguma informação/produto/serviço do seu cliente. No entanto, o modus operandi é bem diferente: ela montará uma campanha publicitária e tratará diretamente com o departamento comercial do veículo. O interesse público não entra em jogo, pois o que importa aqui é o quanto você está disposto a pagar para ter o anúncio veiculado.

Esta é, portanto, a principal diferença entre a assessoria de imprensa e a publicidade: o primeiro trabalha com mídia espontânea, enquanto o segundo com mídia paga.

Essa distinção acarreta em outras consequências, como por exemplo o espaço que sua empresa terá nos meios de comunicação. Na publicidade, você escolhe exatamente o tamanho e destaque que terá: quanto mais pagar, maior será o anúncio. Já a assessoria de imprensa não tem controle sobre o destaque que o jornalista dará a informação que foi passada a ele. É claro que, quanto mais relevante for a novidade, maior será o destaque.

Por outro lado, a credibilidade das duas informações também é diferente. Quando pegamos um jornal, nosso interesse é nas notícias e não nas propagandas. Sendo assim, se um porta-voz fala para um grande veículo, esse espaço que sua empresa conquistou tende a ser muito mais valioso – em termos de relevância, credibilidade, imagem –  do que um anúncio no mesmo jornal.

Portanto, publicidade e PR são serviços de comunicação importantes e, em muitos casos, complementares. Cada um tem o seu propósito e atinge o público-alvo de forma diferente. Cabe ao cliente avaliar de que forma ele pode usar cada serviço para atingir suas metas.

*Gabrielle Ramos é jornalista formada desde 2012 na Universidade Nove de Julho, com especialização em Marketing Digital pela E-commerce School e Mídias Sociais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Com 08 anos de experiência em Assessoria de Imprensa, já atuou na comunicação de empresas de diversos segmentos e atualmente é responsável por Planejamentos Estratégicos e Conteúdo na PiaR Comunição.