Saiba quais são as regiões mais produtivas no setor têxtil no Brasil

Segundo dados da ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), a indústria teve faturamento estimado de R$194 bilhões em 2021, representando um crescimento de 20% em relação aos R$161 bilhões de 2020. A expectativa é de um aumento setorial de 1,2% em 2022.

O setor segue em constante evolução e aquecimento, mesmo diante das crises econômicas vividas nos últimos anos. O Brasil ainda é destaque em todo o mundo por ter empresas que procuram inovação e sustentabilidade em suas linhas de produção. Pensando em corroborar com o papel do país nessa economia, Carla Cassiana Brandão Schork, Diretora de Mercado da Texneo, uma das principais indústrias têxteis no Brasil, listou quais são as regiões mais produtivas nesse segmento. Confira: 

Vale do Itajaí (SC): Um dos maiores polos industriais têxteis em Santa Catarina, região Sul do país, Estado que é líder no setor têxtil no Brasil. O polo do Vale do Itajaí é composto pelos municípios catarinenses Blumenau, Brusque, Joinville, Itajaí, Nova Trento, Luiz Alves, São Bento do Sul e Jaraguá do Sul. A região é formada por micro e pequenas empresas, sendo que além do setor têxtil, áreas de tecnologia da informação, agroindústria, pesca e produção naval também recebem bons investimentos. O local conta com mais de oito mil negócios relacionados ao vestuário e em 2017 exportou cerca de US$ 400 milhões. 

Ceará: O grande desenvolvimento da indústria têxtil nordestina contribui bastante para a diminuição da miséria na região. Por meio da alavancagem do setor, empregos são criados e o mercado é fortalecido. O crescimento econômico da indústria têxtil cearense pode ser bem representada em números: enquanto em 2018 o país recuava 4,5% em produção de insumo, o Ceará avançou 3% na cadeia de moda até metade de 2021. Esse progresso é reflexo dos 610 milhões de peças confeccionadas no último ano, além das 183 mil toneladas de insumos recolhidos, segundo informações da Febratex Group.

Agreste pernambucano: Além do setor industrial têxtil cearense, o Nordeste conta com o polo do Agreste pernambucano. Segundo dados da Febratex Group, a produção de bens e serviços do agreste aumentou mais de 60% em apenas uma década. No começo de 2022, o PIB de Caruaru foi calculado em cerca de R$ 7,6 bilhões, sendo que 62,8% do valor adicionado advém dos serviços, na sequência aparecem as participações da administração pública (23,4%), da indústria (23,4%) e da agropecuária (1,7%)

Polo de Americana: O município de Americana faz parte da microrregião de Campinas, no estado de São Paulo. O polo industrial têxtil da região conta também com as cidades de Sumaré, Santa Bárbara d’Oeste, Hortolândia e Nova Odessa. Dados da Febratex afirmam que o polo têxtil de Americana tem uma grande importância para a economia brasileira, visto que concentra 32% das empresas têxteis instaladas no país e 27% das voltadas para confecção.

Sobre a Texneo: Fundada em 1995 pelos irmãos Ricardo Axt e Fabrício Axt, a Texneo é uma das principais indústrias têxteis no Brasil, com foco na produção de malhas em rolo para os segmentos sportswear, beachwear e underwear. A empresa aposta na tríade de sustentabilidade, inovações e olhar humano para desenvolver seus produtos e ampliar seu atendimento em todo território nacional e outros 17 países, marcando presença na América Latina, Estados Unidos, Europa, África do Sul e recente expansão para América Central. somando mais de 1,5 mil clientes ativos. Além disso, possui importantes certificações como a ABVTEX, OEKO-TEX, ZDHC, Green Fiber e a certificação Great Place to Work.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.