contratar-assessoria-de-imprensa

ASSESSORIA DE IMPRENSA: SE EU POSSO FAZER, POR QUE CONTRATAR?

Acredito que esse pensamento tem sido constante e na minha visão, é o reflexo de muitas atividades realizadas como se fossem serviços de assessoria de imprensa. Exemplo: disparo de press release.

Se pararmos para fazer uma busca, tem diversas empresas que se intitulam como assessoria de imprensa, mas que na verdade não entregam um trabalho completo, bem estruturado e de acordo com os objetivos do cliente. Tudo isso leva ao questionamento – por que contratar uma assessoria se eu mesmo posso fazer esse serviço?

É uma visão que corrompe nosso mercado e inviabiliza, muitas vezes, aqueles que lutam para evoluir o ecossistema e entregar projetos relevantes aos seus clientes. O primeiro ponto aqui é entender que o trabalho de PR engloba muito mais que elaboração de releases e divulgações, o foco principal está ligado ao relacionamento que fazemos com os jornalistas, influenciadores, agentes de inovação, entre outros. Aqui o ponto essencial é entender o propósito de cada cliente para entregar resultados que tenham relevância para seu negócio. Uma imensidão de atividades com um único objetivo – tornar sua marca admirada!

Outro ponto que acredito que corrobora para esse pensamento é o investimento em assessoria que não domina o seu mercado. Ou seja, quando você procura por uma agência que atende grandes marcas ou multinacionais, a atenção destinada para você será bem menor, isso porque essas empresas demandam muito mais e o assessor muitas vezes fica com o tempo curto para estudar, pesquisar e até mesmo para se aproximar do cliente e entender de fato seu negócio.

Vale fazermos uma reflexão! Será que você – empreendedor – consegue manter um fluxo de conversas diárias com vários jornalistas de diversas regiões do país. Acha que teria tempo para se dedicar a isso? A resposta é simples, além da falta de conhecimento do mercado, dos veículos e da rotina de uma assessoria, você não teria paciência e nem tempo disponível para dar vazão na alta demanda que tem.

Quando você opta por contratar uma agência especializada em startups, a dinâmica de trabalho é completamente diferente, não é engessada e cheia de processos. Aqui na PiaR, por exemplo, procuramos sempre acompanhar o ritmo que o ecossistema exige, e posso te dizer que é bem ágil. Além disso, nosso objetivo é sempre focado em branding, ou seja, melhorar cada vez mais sua reputação no mercado.

Por fim, lembre-se sempre: uma assessoria especializada em startups está imersa nesse universo e de olho em tudo que acontece, independente se sua startup está ligada ao agronegócio, e-commerce, moda ou alimentação. Vale pesquisar, entender como cada uma funciona e quais são suas entregas e investir naquele que melhor se identifique com seu negócio!

*Juliana Gusmão é jornalista formada desde 2012 pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, com Pós-Graduação em Marketing e Comunicação Publicitária pela Faculdade Cásper Líbero. Com oito anos de experiência em Assessoria de Imprensa, já atuou na comunicação de empresas de diversos segmentos e atualmente é Gerente de Núcleo na PiaR Comunicação

A COMUNICAÇÃO DA NOVA DÉCADA

A COMUNICAÇÃO DA NOVA DÉCADA

Chegou 2020! Ufa! E com o novo ano chegam também resoluções e reflexões sobre o que se passou. Em termos de comunicação, temos sofrido grandes mudanças e que têm impactado diretamente a vida de todos nós. Tais alterações nesse segmento, e aqui vale destacarmos as verticais de publicidade/propaganda e assessoria de imprensa (são coisas muito diferentes!), são tendências demandadas por mudanças nos hábitos dos consumidores.

Notamos, por exemplo, que a era do Marketing Digital chegou forte e para ficar. Quem deseja se destacar de alguma forma, independente do setor em que atua, precisa (sim, é imperativo) ter uma forte atuação no âmbito digital. Claro que para isso é necessário o desenvolvimento de estratégias de comunicação que tenham premissas sólidas e valores transparentes.

Essa é outra palavrinha chave quando falamos sobre a comunicação da nova década: transparência. Não há mais espaços para “mistérios” ou meias verdades. Todos (TODOS) podem entrar em contato uns com os outros em poucos segundos e conseguir identificar mentiras ou engôdos que qualquer empresário ou companhia tente fazer descer goela abaixo dos seus consumidores.

Identificação política é outra vertical que gerou um grande buzz no ano passado e deve ganhar ainda mais força nos próximos anos. Isso porque as pessoas passaram a se posicionar mais claramente sobre aquilo em que acreditam e, consequentemente, se aproximar de pessoas que tenham o mesmo fit de pensamento sobre o que é melhor para o futuro de nosso país. A comunicação, aqui, desempenha papel fundamental para reunir tais grupos.

Envolvimento de causas ambientai e sociais foram outros motes muito fortes nas mídias e redes sociais. Isso porque são temas que causam controvérsias e “forçam” as pessoas a tomar posicionamentos claros, evitando que fiquem em cima do muro. Enfim, como disse acima, a comunicação (e principalmente seus profissionais) têm sofrido algumas “porradas” e mudado a forma de atuação. Se antes a mensagem era unilateral e pouco contestada, agora ela é multi, debatida e escancarada para quem quiser participar. Por isso, acredito que em 2020 ainda veremos grandes cases de comunicação que são exemplos de adaptação ao novo mundo e, infelizmente, outros cases do que “Não fazer”. Qual sua opinião?

*Por Renniê Paro

QUERO SAIR EM PROGRAMAS DE TV, MAS NÃO CONVERSO COM O PÚBLICO FINAL. E AGORA?

Com certeza, você assessor já ouviu muitas vezes seu cliente pedir para sair na TV x ou y, independente do assunto. É uma vontade bem comum entre a maioria dos empreendedores – ter uma grande exposição televisiva, seja porque a empresa é boa, ou porque o concorrente saiu, para atrair novos negócios, entre outros motivos.

Porém, um ponto muito importante precisa ficar alinhado entre ambas as partes – seu negócio conversa com o público-final da TV que você quer sair? Porque nada adianta o esforço para emplacar uma notícia no jornal da Record, por exemplo, se quem assiste não irá consumir seu produto ou entender o que você faz. Para sermos assertivos, nós assessores temos que entender o impacto de cada mídia, para posteriormente, traçar a melhor estratégia de divulgação de uma determinada notícia.

Quando se trata de TV, tudo pode acontecer. Por que digo isso? A produtora pode ligar e pedir uma gravação com porta-voz e personagem para ontem e termos que correr contra o tempo para conseguir. Pode acontecer de gravarmos uma matéria e ela ser cortada pela metade ou até mesmo não ser publicada por diversos motivos; pode ser positiva ou negativa (e não conseguimos saber qual viés eles vão abordar porque o jornalista não abre esse tipo de informação com o assessor e nem com o cliente); na maioria das vezes, as grandes mídias televisivas não mencionam o nome das empresas ou camuflam os logos, entre outros pontos que precisam sempre estar alinhados para não criarem grandes expectativas.

Entendo que a visibilidade de ter uma matéria veiculada na TV é enorme e ajuda na construção da marca e na admiração que os consumidores terão por ela, mas é preciso entender como que funciona o trabalho por trás das telinhas. Saber o que é ou não atrativo para aquele canal e todas as adversidades que andam de mãos dadas com esse tipo de exposição é essencial para conseguir ter sucesso emplacar ruma matéria bacana

Aqui na PiaR, temos bons relacionamentos com as principais TVs do Brasil, e quando temos estudo exclusivos ou assuntos que de alguma forma tem “fit” com o público-alvo de algumas das maiores mídias televisivas do país, entramos em contato e tentamos construir algo juntos. Muito mais do que entender sobre a relevância da mensagem que quem está do outro lado da tela irá consumir, é saber que para o assunto chamar a atenção do produtor é necessário ter imagens e ilustrações daquilo que será televisionado. Sem isso, aliado com outros pontos que mencionamos por aqui, dificilmente teremos sucesso nessa mídia.

*Por Juliana Gusmão

COMO SE DIFERENCIAR E TER SUCESSO EM PAUTAS SAZONAIS?

Ao longo do ano, temos muitas datas comemorativas que conseguimos aproveitar para trabalhar alguns assuntos e colocar em evidência o porta-voz de alguma empresa. Nos próximos meses, por exemplo, já começam a surgir vários assuntos sobre Black Friday. Mas como se diferenciar dos concorrentes e de matérias antigas quando o tema já é recorrente?

Um ponto bastante importante é verificar com seu cliente quais ações eles irão proporcionar durante esse período. Em posse de todas as informações, você consegue analisar qual é a melhor forma de abordagem nas mídias. Se ele tiver uma boa base de dados, trabalhar com levantamentos exclusivos que de alguma forma impacte diretamente o público final, também pode ser um gancho interessante durante a Black Friday.

Acredito que outra vertente interessante é “surfar” nos assuntos factuais e isso será um grande diferencial esse ano. Muito tem se falado sobre os pagamentos instantâneos ou por meio de QR Code, e as startups que oferecem um serviço diferente nesse quesito ou proporcionam uma experiência completa para os consumidores, com certeza terá uma visibilidade mais positiva em relação às outras empresas.

Claro que as estratégias não devem se limitar somente às ações que ocorrem no final de ano. Para ter uma rentabilidade bacana, ainda mais se seu negócio está ligado diretamente com o público B2C, é preciso entender o momento do mercado e quais os tipos de desconto ou ações que você irá proporcionar para seu público-alvo. Assim, muito mais do que sucesso de vendas, o boca a boca será inevitável e, consequentemente, sua marca estará em evidência.

Por fim, se você quer alcançar o sucesso durante essas épocas do ano, é preciso pensar fora da caixa e entender que ser diferente e abordar assuntos que fogem do mais do mesmo é o caminho ideal para ganhar atratividade e se tornar referência em seu mercado de atuação. Pense nisso e conte com sua assessoria de imprensa para construir um planejamento impecável e cheio de boas ideias. Afinal, sabemos que Admiração Vende e queremos contribuir com seu sucesso.

*Por Juliana Gusmão

BONITO PARA QUEM?

Esse ano tive a oportunidade de trocar ideia com muitos clientes e conhecer melhor a cultura dentro de cada empresa, como se desenvolvem e o que priorizam, principalmente no que tange a cultura organizacional, engajamento e atração/retenção de talentos.

Além disso, estudei um pouco melhor as funcionalidades do Solides Gestão (software de gestão de pessoas) e com a ajuda da Jéssica Aguiar, mergulhamos um pouco mais no universo de Recursos Humanos (águas nunca antes navegadas, confesso).

Uma das coisas que mais me marcou é como uma cultura organizacional sólida e sincera afeta diretamente as pessoas que trabalham em uma empresa. Isso porque, principalmente para as novas gerações, apenas um bom salário já não é suficiente para manter alguém no emprego. As pessoas têm procurado por propósitos, por valores que tenham identificação e, consequentemente, ‘vestem a caminha da empresa’.

Não são poucos os casos que vi e ouvi de empresas que na mídia parecem lindas, que saem em matérias de “somos cool, somos legais” e na verdade o dia a dia é extremamente perverso. Pressões desnecessárias, mudanças de rotas de última hora ou mesmo as chamadas “adaptações” no meio do caminho podem ser sinais ruins para uma empresa.

A máxima antiga da “mas o cliente tem sempre razão” nunca foi tão distorcida (pelo menos em minha opinião). Claro que as impressões e expectativas de um cliente devem ser ouvidas com atenção, mas abrir mão de valores e premissas que tanto se demorou para construir dentro de uma empresa, não devem sequer serem cogitadas de passarem por mudanças porque o CLIENTE QUER! Por isso reforço sempre que é preciso manter a mesma imagem onde quer se que se vá. Não dá para ser uma coisa na vida real, outra no Instagram e outra na mídia. Coerência, transparência e sinceridade sempre foram vencedoras na hora de se conquistar o que quer seja. Pensem nisso!

*Por Renniê Paro