Fake news na saúde: qual o papel dos médicos e demais profissionais da área?

Banco de imagens gratuitas: Pixabay

Com o avanço da internet as pessoas passaram a ter a possibilidade de se conectar umas com as outras de forma digital, tornando rápida e fácil a troca de informações. Porém, se por um lado, esse movimento é um caminho para todos estarem mais atualizados em relação ao que ocorre no mundo, por outro, pode ser uma armadilha. As chamadas fake news são um grave problema e quando o assunto é o setor da saúde, podem prejudicar as pessoas de variadas formas, resultando inclusive na exposição a perigos, como não tomar alguma vacina importante, ou até mesmo realizar procedimentos que vão piorar determinado problema.  

De acordo com pesquisa realizada em 2020 pelo dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, companhia que desenvolve soluções de segurança, privacidade e performance, 75% dos brasileiros já foram impactados por notícias falsas e do total de entrevistados, 45,94% afirmaram já ter recebido informações mentirosas sobre saúde. Não são difíceis obter exemplos, e um marcante é a pandemia de coronavírus. Segundo pesquisa da Avaaz, comunidade de mobilização online, divulgada em 2020, nove entre cada dez brasileiros com acesso à internet disseram que já tinham recebido pelo menos um conteúdo falso ou desinformação sobre a COVID-19, e sete em cada dez, acreditaram na informação.

Neste cenário, médicos e outros profissionais da área da saúde precisam trazer informações corretas para a sociedade, esclarecendo dúvidas e guiando para que pessoas ajam da melhor maneira possível. Comumente é dito que a população sempre deve buscar por especialistas e fontes confiáveis de informação e é por essa razão que os profissionais devem estar cada vez mais preparados. 

A atualização e o aprofundamento do conhecimento científico são os elementos-chave na vida dos médicos e demais especialistas da saúde, já que permitem que acompanhem todos os movimentos da área e também ajudem no combate às notícias falsas. Assim, é fundamental que profissionais busquem por cursos, podcasts, webinars, eventos e demais conteúdos seguros e atualizados, para que usem todo o know-how obtido, no atendimento ao paciente e na hora de levar os dados para a população.

É importante ressaltar que hoje já há tecnologias que permitem que médicos e especialistas de todos os cantos do país, se conectem de forma confiável, a fim de trocarem descobertas, novidades e experiências reais na área da saúde. A possibilidade de democratização das informações somada ao interesse dos profissionais de adquirirem cada vez mais conhecimento, contribui para uma sociedade mais bem preparada. 

Pode-se concluir, portanto, que especialistas devem estar atentos às informações da área da saúde que aparecem na mídia, sempre estudando para que tenham acesso à verdade e compartilhando os dados com a população. Afinal, informações salvam vidas. 

<em>André</em> <em>Brandão</em>
André Brandão

Bacharel em Marketing, André Brandão empreende desde os 20 anos e há 8 anos atua no setor de saúde. Já trabalhou na Editora Abril com produtos licenciados com os selos Warner, Disney e DreamWorks. É atualmente CEO da Medictalks, plataforma digital de acesso gratuito com conteúdos feitos por médicos, para médicos, onde profissionais de todo o país compartilham experiências reais de vida e conhecimento científico relevante e atualizado.