CRESCIMENTO DO MERCADO DE FINTECHS NO BRASIL

De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), ao todo são mais de 473 fintechs mapeadas pela entidade. Com um propósito de oferecer inovação ao mercado financeiro, essas startups têm papel importante – desburocratizar o setor e facilitar o acesso ao crédito.

Um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), apontou que com a crise econômica que se instaurou no país, 72% dos brasileiros repensaram a forma como lidam com suas finanças. Mas a pergunta que fica é – Qual o real impacto das fintechs no mercado de crédito?

Com a chegada da geração Y no mercado, por exemplo, o uso da tecnologia se tornou cada vez mais constante no dia a dia desse público. Isto é, muitas atividades que antes eram feitas de forma presencial, passaram a ser efetuadas por meio de aplicativos ou plataformas, tudo de forma digital e sem burocracia. Com o mercado de crédito, não é diferente. Abaixo listei algumas que vale ficarmos de olho:

Geru – é primeira e maior fintech de empréstimo online do Brasil. Está no mercado desde 2015, concedendo crédito pessoal e realizando operações 100% online e sem garantia, tudo isso com objetivo de proporcionar praticidade, transparência e segurança aos seus clientes. Para se ter uma ideia, a startup disponibiliza valores de R$ 2 mil a R$ 50 mil por meio de serviços totalmente digitais com taxas mais acessíveis, diferentemente dos métodos tradicionais e burocracia dos bancos tradicionais. Com uma análise que engloba mais de 300 variáveis a partir de diversas fontes de informações, a análise de crédito acontece em poucos minutos. Vale ficar de olho no movimento que a fintech tem feito no mercado;

BizCapital – focada totalmente em ajudar os pequenos e médios empreendedores a terem acesso ao crédito de forma prática, rápida e segura, a fintech possui um sistema automatizado de avaliação de crédito que é capaz de analisar e ranquear cada pedido em minutos. Tudo isso é possível devido à integração que a startup tem com mais de mil fontes de variáveis, publicas e proprietárias. Além disso, pensando na saúde financeira de cada empreendedor que solicita empréstimo por meio da BizCapital, a empresa lançou o BizReport, um relatório com os dados colhidos na hora da avaliação de crédito, como: atividade econômica, posição de mercado, score, presença digital, entre outros.

Claro que não podemos deixar de observar a movimentação de outras grandes fintechs do mercado, como Nubank, GuiaBolso, Neon, Creditas, entre outros. Afinal, é um segmento que está em constante evolução e vale a pena acompanharmos tudo que essas startups têm proporcionado aos seus clientes. E aí, será que teremos mais novidades vinda desse ecossistema?

*Por Juliana Gusmão

O MERCADO DE FINTECHS NO BRASIL

Nos últimos anos, as startups financeiras têm se destacado no mercado brasileiro por encontrarem por aqui um campo fértil para inovar e expandir suas operações. De acordo com o Relatório Fintech na América Latina 2018: crescimento e consolidação, publicado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Finnovista, o Brasil é país que mais concentra empreendimentos do setor na América Latina, com 380, seguido pelo México com 273, Colômbia com 148, Argentina com 116, e Chile com 84.

Essas empresas têm um fator em comum, buscam oferecer um atendimento personalizado, veloz e sem burocracia, diferente do que existia até então, com o monopólio dos bancos. Com o auxilio de tecnologias avançadas, as fintechs estão transformando o mercado financeiro e a forma como os consumidores se relacionam com as instituições financeiras.

Um grande exemplo disso é o Nubank. Você, com certeza, já deve ter visto aquele cartão roxinho na mão de alguém, ou então, possui um desses dentro da sua carteira, certo? A startup, que iniciou suas operações oferecendo um cartão de crédito sem anuidade e que era administrado por meio de um aplicativo, fez tanto sucesso que hoje já oferece cartões com a opção de débito e a NuConta, uma conta corrente digital e sem custos.

Segundo o Radar FintechLab, divulgado em agosto do ano passado, os segmentos que mais cresceram em números absolutos foram: Pagamentos, Cryptocurrency & DLT (moedas criptografadas) e Empréstimos. Já em percentuais, os destaques foram para as empresas com foco em Câmbio e Remessas e Seguros.

Para 2019, o mercado está otimista e a tendência é que as fintechs continuem sendo a bola da vez. Entre as apostas para o setor, podemos destacar:

Criptomoedas

Sim, as moedas digitais vão continuar sendo as queridinhas para aqueles que buscam por novos investimentos. Segundo informações do Guia do Bitcoin, 2019 começou muito bem para a quase todas as 100 maiores criptomoedas do mercado. Entre todos os aumentos, podemos destacar a da Ethereum (ETH), que teve uma alta de quase 12% e recuperou a segunda posição e maior valor de capitalização de mercado.

Crédito

Com a regulamentação das fintechs de crédito no ano passado, essas startups virão com tudo esse ano! Podendo atuar com mais liberdade, tanto no mercado B2B quanto no B2C, devemos ver uma grande movimentação dessas empresas no mercado financeiro. Vamos acompanhar!

Câmbio e remessas

Realizar transferências financeiras para outros países sempre foi uma dor de cabeça para a maioria das pessoas! Por isso, nos últimos anos, pudemos observar o crescimento de empresas focadas em operações cross border e câmbio. Esse ano, essas fintechs se consolidarão ainda mais no mercado, oferecendo novas soluções para facilitar o acesso a trâmites internacionais sem burocracia.

*Por Bruna Sant’Anna Froner

VOCÊ SABE QUAIS FORAM OS SEGMENTOS QUE MAIS CRESCERAM EM 2018?

De acordo com a Associação Brasileiras de Startups (Abstartups), temos entre 10 e 15 mil startups no Brasil. Se fôssemos mapear por estado, São Paulo detém o maior número de startups (3.042), seguido do Rio Grande do Sul (889), Minas Gerais (837), Rio de Janeiro (730) e Santa Catarina (483). De acordo com o Sebrae, existem 6,4 milhões de estabelecimentos no país, sendo que 99% deles são pequenas e médias empresas (PMEs).

Se pararmos para fazer uma análise do ano de 2018, mesmo com a instabilidade política e econômica, tivemos vários negócios em alta, que chamaram a atenção ao longo desse período. Vimos muitas matérias sobre o ecossistema de startups como um todo, mas também falando sobre cada um desses mercados. Acredito que os segmentos que mais cresceram foram o de agronegócios (agtechs), financeiro (fintechs) e educação (edtechs).

Para 2019, tenho certeza que essas áreas a vão crescer mais e criar raízes no mercado brasileiro, mas tem outros nichos de mercado que destacaria para ficarmos de olho nos próximos meses, como é o caso das construtechs, legaltechs, healthtecs e startups focadas no setor varejista.

De acordo com uma matéria no portal YouStory, especializado em fazer análises e relatórios sobre o mercado empreendedor, em 2019 o marketing será mais personalizado e as empresas terão como desafio se aproximarem de seus clientes para desenvolver campanhas mais assertivas. Além disso, o setor de empréstimos e pagamentos ficarão mais acessíveis e customizados, as pesquisas serão feitas cada vez mais por voz e o foco será cada vez mais em dados e algoritmos.

Temos muitas coisas interessantes para acontecer ao longo desse ano e nos resta acompanhar a evolução do mercado para nos adaptar caso seja necessário. E aí, você está preparado?

*Por Juliana Gusmão